Corpo Holístico

A Visão Holística nas terapias surge do princípio de integração. Holismo é uma palavra derivada do grego holos que significa todo. Assim, o atendimento terapêutico holístico busca compreender o ser por inteiro, percebendo as demandas emocionais, mentais, espirituais, energéticas e físicas de forma relacionada e como um sistema.

Quando um corpo adoece, todos os outros campos que compõe o ser adoecem junto. É um equívoco pensar que, tratando de um sintoma físico, a cura se estabelecerá por completo. Na maioria das vezes os sintomas físicos estão diretamente ligados a causas psíquicas, emocionais, morais e metafísicas. O sintoma físico aparece como um alerta: “Ei, atenção! Algo precisar mudar!”. Às vezes é um padrão de comportamento repetitivo, ou uma crença que limita a nossa saúde perfeita. Às vezes é um acumulo de sentimentos contidos sem a devida expressão, que acaba criando dores em todo o corpo.

“O homem integral é visto pelas escolas hinduístas como formado por cinco koshas ou revestimentos, que vão se quintessenciando a partir do corpo físico até atingir o mais sutil, onde não há nada de material e concreto, formal e pessoal, que é o plano da mais pura bem-aventurança.” (Prof. HERMÓGENES – Yoga para Nervosos)

O corpo Humano é compreendido pelo Ayurveda como um sistema composto por três doshas (humores), sete Dhatus (níveis do tecido), quatorze a dezesseis Soratas (canais) e quatorze nadis principais (dutos de energia). O corpo é visto como uma unidade em que todas as partes funcionam em harmonia e estão totalmente relacionadas entre si.

Quando começamos a nos perceber em nossa totalidade, compreendemos que não somos apenas um organismo físico. Ao sentir uma dor nas pernas ou na coluna, por exemplo, podemos observar se estamos carregando peso indevido, seja ele físico ou do campo emocional e metafísico. Essa dor pode ser um sinal do corpo para reduzir a velocidade da caminhada, para soltar os pesos, liberar os excessos, observar cada passo e sentir o que verdadeiramente provocou aquele sintoma.

“O modelo xamanístico tem suas origens nas culturas sem escrita. Neste modelo, toda doença é consequência de alguma desarmonia em relação à ordem cósmica. A principal preocupação do xamanismo está relacionada com o contexto sociocultural em que a enfermidade ocorre.” (TEIXEIRA, E. Reflexões sobre o paradigma holístico e holismo e saúde.Rev.Esc.Enf.USP, v.30, n.2, p. 286-90, ago. 1996. http://www.scielo.br/pdf/reeusp/v30n2/v30n2a08.pdf)

Com essa visão holística, podemos observar que o corpo integrado à mente, às emoções e ao metafísico, permite a experiência de conexão com o estado de presença e, assim, vivenciar o corpo como uma ferramenta de despertar da consciência. O ser consciente do seu corpo holístico tem a possibilidade de conhecer-se profundamente e libertar-se de todas as amarras que limitam o avançar de forma harmônica e abundante.

O corpo é o instrumento que traz a experiência do agora. A mente oscila entre o passado e o futuro, criando muitas vezes sensações de ansiedade e frustrações que chegam a gerar doenças físicas. Enquanto o corpo se mantém no agora, na experiência do presente, é possível liberar todas as dores e sofrimentos que provocam as enfermidades humanas na Terra, alcançando o estado de centramento, gerando plena saúde, longevidade e bem-aventurança.

A tradição Védica diz que a fisiologia humana é composta por três corpos: corpo denso, corpo emocional e corpo astral. Existem ainda cinco revestimentos, invólucros ou camadas interconectadas, que são denominadas de Koshas, que se relacionam com os estágios de consciência e devem estar perfeitamente integradas e em harmonia para que se possa alcançar a totalidade.

1º Kosha: Corpo Físico – Estabilidade (AnnaMaya Kosa)

É a expressão no mundo físico. É com ele que movemos, realizamos e materialização as ações. Ele é constituído dos cinco elementos e suas funções se dão pela ação dos sistemas orgânicos. É o veículo para a viagem, AnnaMaya significa o corpo de alimento e corresponde ao plano da consciência vigílica.

2º Kosha: Corpo Energético – Vitalidade (Pranamaya Kosa)

É a força vital que produz as vibrações sutis relacionadas à respiração. É a força motriz por trás do aspecto físico dos sentidos e do funcionamento do corpo físico. Neste plano as emoções também residem nos órgãos do corpo fisiológico, os sentimentos e as emoções estão ligados aos órgão, à respiração e à mente. É responsável pelos fluxos de energia.

3º Kosha: Corpo Mental – Clareza (ManoMaya Kosa)

É a mente racional, lógica e também a sede dos desejos e paixões, sendo constituído pelos cinco sentidos. É pelos órgão dos sentidos que a mente capta as informações das experiências sensoriais e transforma em percepções mentais. É a mente reativa em que se funde os pensamentos e as emoções. Trata-se do corpo mental, do funcionamento conjunto do cérebro cognitivo, da memória, do ego e da percepção sensorial em nossa vida nos seus aspectos positivos e negativos.

4º Kosha: Corpo Intelectual – Sabedoria (VijnanaMaya Kosa)

Feito de conhecimento, é a mente superior, aquela que investiga, discerne, intui. Nela há todo o poder da sabedoria. É o portador da luz Interior. Nela está o poder do conhecimento que tem como propriedade o discernimento e determinação. É ativado por meio da meditação, cantos de mantras e elevados sentimentos e pensamentos. Na fronteira interna deste quarto invólucro encontra-se a descoberta da alma individual (jivatma), a centelha da divindade que habita todos nós, em nosso corpo espiritual. Entre estas duas fronteiras repousa o insight da conexão puramente divina.

5º Kosha: Corpo Espiritual – Beatitude (AnandaMaya Kosa)

Veículo de bem-aventurança, é o involucro que mais reflete o ser interior. É o aspecto espiritual do ser e se expressa pela luminosidade e unicidade. É o ponto mais interno do nosso ser, fronteira entre o ser e a luz da pura consciência, sendo a expressão primeira do Atma. No estado de Ananda encontra-se paz, alegria e amor além da mente, independente de qualquer motivo ou estímulo para provocar uma reação de prazer mental. É simplesmente o ser, descansando em êxtase.